Lola Montès (1955)

 

 

Depois de devotar sua vida à luxúria, uma cortesã se torna a principal atração de um circo. Em meio a trapezistas, anões e palhaços, e diante da avidez macabra do público, ela narra episódios de sua trajetória.
Filme maldito, rechaçado pela crítica e público na época de seu lançamento, retalhado na montagem pelos produtores, Lola Montès é considerado hoje uma das mais importantes obras da história do cinema, cultuada pelas cinematecas de todo o mundo. Diretor de origem alemã, Max Ophüls filmou em seu país natal, na Itália, nos Estados Unidos e na França. Rigorosa denúncia do sensacionalismo espetacular e da mídia, o filme foi posteriormente saudado por personalidades como François Truffaut, segundo o qual “quem nunca viu Lola Montès não pode entender de cinema”.

 

Eis a sinopse desse filme, constante do site da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, neste mês (http://www.cinemateca.com.br/). Motivado por ela, e acho que não sem razão, resolvi assisti-lo, até para tentar entender um pouco de cinema.
Mas, qual não foi a minha decepção!
Primeiro porque é um filme chato, irritante, ao menos para mim. A história de Lola é contada pelo mestre de cerimônias do circo, se é assim que se chama aquele que anuncia as atrações: “Rrrrespeitáveeeel públicoooo”, rufam-se os tambores, e blablablá. O sujeito berra do começo ao fim (quase duas horas). Por pouco não saí da sala na metade, coisa que nunca fiz, de tão insuportável aos meus ouvidos.
Segundo, porque roteiro, atores, fotografia, trilha sonora, enfim, o filme todo é apenas mediano, razoável, suficiente, assim como a direção geral. A única coisa que me agradou de verdade foi o modo como a história de Lola é apresentada, ou seja, em flashback. Gosto muito desse recurso em literatura e cinema. Os principais acontecimentos de sua vida adulta, entendam-se suas aventuras e desilusões amorosas, apresentam-se em cenas evocadas a partir de suas memórias, narradas pelo mestre de cerimônias, espécie de narrador onisciente, que foi um de seus antigos amantes. Só isso se salva, a meu ver, porque, no mais, é um filme comum e até chato, como já disse, apesar de ser apresentado como “the greatest film of all time”.

Para ser franco, este post é apenas um pretexto para manifestar duas convicções minhas.
Uma, de que a opinião da crítica especializada não deve ser levada muito a sério. Aproveito aqui para abrir parênteses e manifestar também minha aversão a rótulos do tipo “o melhor”, “o mais importante”, o não sei o que lá, em matéria de arte, expressões caras aos críticos e profissionais de propaganda em geral. Não servem, quase sempre, para nada ou, quando muito, para indicar apenas o gosto pessoal daquele que as utiliza. 
A outra é, resumidamente, que não importa quem diz, mas o que é dito.
Por isso destaquei em negrito dois trechos na sinopse, os quais, depois de ter assistido o filme, considero totalmente exagerados, para não dizer absurdos (sobretudo o que diz o Truffaut, que, para mim, deve ser entendido ao contrário).

Convido pois o leitor a assitir Lola Montès e, quem sabe, discordar das minhas impressões. Ficarei feliz em ver que estou enganado e que talvez não tenha percebido toda a grandiosidade desse filme. Aqui, por exemplo, pensa-se exatamente o oposto, sendo ele idolatrado.

Anúncios
    • Cat
    • 15 de março de 2011

    Oi Jamil ;)
    então como correu a prova? Espero que tudo bem.

    beijinhos

    • Cat querida, fico feliz por você se lembrar, é de uma consideração que não senti nem em muitos dos meus amigos daqui, se bem que eu não tenha tantos assim.
      Ah, foi uma prova bem cansativa, pois bastante extensa. Questões com enunciados longos, alternativas mais ainda, às vezes. Quase não deu tempo de preencher a folha de respostas (errei a transcrição de uma, na pressa), ao término das 4 horas de prova; 100 questões testes versando sobre praticamente todos os ramos do Direito.
      Agora, aguardarei o resultado, não muito esperançoso, e continuarei a estudar/revisar matéria, pois já tenho um próximo desafio marcado para o dia 12 de junho.
      Agradeço imensamente o seu carinho e a delicadeza de sua preocupação.
      Beijos

  1. Jamil

    Je ne connais pratiquement jamais l’opinion générale sur les films . Mais, parfois il est impossible de ne pas entendre les critiques. Un bon exemple pour moi, Black Swan, que j’ai détesté, et pourtant tout le monde me dit que c’est un film extraordinaire… Je n;ai pas vu Lola Montes, mais je savais que Truffaut idolâtrait ce film, tout comme il idolâtrait Hitchcock, et au titre de réalisateur, il avait sûrement ses raisons.

    Ce que j’aime c’est entendre une opinion personnelle, donc je te donne 20/20 :-)

    • Je n’ai pas vu encore Black Swan, Danièle, mais c’est bien possible que je ne l’aimerai pas aussi. Une amie a détesté ce film, ainsi que vous; elle m’a dit que l’argument est très faible. Et pour moi le plus important de n’importe quel film est justement l’argument…

      Oh, merci, bien que je sois peut-être un trop dur critique.
      Alors je te donne ☆☆☆☆☆ :o)

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: